Destaques

competencia_e_qualidadeEducação: competência e qualidade
Nílson José Machado

Existe um aparente consenso com relação ao fato de que somente uma Educação de qualidade forma pessoas competentes. Não é tão fácil, no entanto, um acordo sobre a ideia de pessoa a ser formada, nem sobre o significado da qualidade no terreno educacional, ou mesmo sobre as dimensões fundamentais das competências a serem desenvolvidas.

(Saiba+)

 

 


 

 


Revista Educação - LACAN - (Especial: Biblioteca do Professor)

A Revista Educação apresenta a coleção especial Biblioteca do Professor e, entre elas, está a Edição nº 9: Lacan Pensa a Educação, que teve como Coordenadora Assistente Leny Magalhães Rech, autora também deste Site (www.educaçãoonline.pro.br).

Nesta edição especial temos o seguinte sumário:

Leia mais...
 
 
O saber enganoso e a angústia
Escrito por Prof. Rinaldo Voltolini
Seg, 09 de Fevereiro de 2009 22:56
Imprimir

O saber enganoso e a angústia



Professor Doutor Rinaldo Voltolini
Psicanalista
Professor da Faculdade de Educação da USP




Um encontro com o real, um acontecimento inesperado e, como resultado, o desamparo e a impotência dele conseqüente.
Talvez uma boa definição do que é a angústia para a Psicanálise seja a da queda das referências que para um sujeito balizam sua relação com o Outro, não restando-lhe outro destino neste momento senão o de ser afetado pelo Real.
O desamparo, conseqüência inevitável deste encontro, já foi bem formulado pelo dito proverbial: fiquei sem pai nem mãe. Pois bem, é mesmo disso que se trata, ficar sem referências.
Talvez pudéssemos considerar como razoável a hipótese de que Lacan tenha tomado o tema da angústia como objeto de seu trabalho durante todo um ano por razões viscerais, embora isso não descarte as razões de princípio com o que ele sempre gostou de afirmar que escolhia seus temas de trabalho, escolha essa que ele não admitia que  atribuíssem  ao aleatório de suas conveniências ou caprichos pessoais.
O fato é que ele fala sobre a angústia um ano depois de falar sobre identificação e um ano antes de seu seminário sobre os conceitos fundamentais da Psicanálise e, portanto, num momento em que , de certa maneira, já estava em curso o processo que desembocaria na sua não-admissão como membro da escola criada por Freud. Parece possível conjecturar que ele estivesse um pouco sem pai nem mãe.
Consta que o seminário que ele pretendia dar em seguida ao da angústia seria intitulado: Os nomes do pai. De qualquer modo uma alusão a como se constroem as referências.
É a mesma interpretação que permitiu a alguns imaginar que de maneira disfarçada, dado que ele declarou que jamais daria este seminário e que o substituiria por outro, ele teria trabalhado o tema falando dos conceitos fundamentais, fora dos quais não se poderia reconhecer referido a Freud.
Estar referido a Freud foi uma marca do ensino de Lacan. Este seminário sobre a angústia foi, como vários outros, uma resposta a uma objeção que faziam a seu ensino no sentido de dizer que ele se afastava de Freud por não considerar o aspecto afetivo.
Seria o mesmo Lacan que iria formular, seguindo os passos de Freud no texto sobre Leonardo da Vinci, que não se constrói objetivamente um conhecimento sem que intervenha para isso a objetalidade construída propriamente através da sexuação do sujeito.
Há muitas conclusões a se retirar da sagacidade de Freud na análise que fez do apetite de saber, especialmente através de Leonardo da Vinci.
Quando é levado a afirmar, por exemplo, que as teorias sexuais infantis são tentativas de tornar familiar o estranho está passando pelo tema da angústia, talvez de maneira muito mais precisa e fecunda (de todo modo assim acreditava Lacan), do que quando se expressa diretamente sobre ela, como por exemplo, no texto Inibição, Sintoma e Angústia.
E se ele pode afirmar, em seguida, que não se trata, para o pequeno investigador, de paixão pelo saber, se não de um fim bem pragmático: tentar prevenir um acontecimento indesejado, é porque pôde perceber a relação estreita entre objetivizar o conhecimento e evitar a angústia. Angústia inevitavelmente produzida no encontro com o real, lugar onde, por definição, sempre faltam palavras, sempre falta saber.
Dizermos que a angústia é o afeto que não engana permite-nos conjecturar que há algo que nos engana e que buscamos para nos safarmos dela.